logo_flow_2.png

Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura na música, poesia, teatro, cinema, dança e performance.

 

flow literario - preto-09.png

O festival de literatura e artes integradas acontece entre os dias 17 e 21 de março, em formato digital e acessível, para todas as idades. 

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • ad02

PROGRAMAÇÃO

11h

Caldeirões Poéticos

Oficina da arte de juntar e misturar palavras com Rubia Konstantyni, para maiores de 10 anos, com inscrição prévia.  

18h

A Diversidade dos Sertões em Poucas Canções

Show musical. Uma singela homenagem a Manoel de Barros, com Moreno Overá na viola caipira e voz e Rafael Gandolfo na rabeca e violoncelo.

20h

37 GRAUS

Espetáculo literomusical com as poetas Anna Zêpa e Eveline Sin e os músicos Fernanda Broggi, Meno Del Picchia e Zé Nigro.

17 DE MARÇO

estreia.png

11h

TV ZAZOU, Um Amor de Bruxa

Narração/atividade/pergunta, por Nadine Trzmielina. São três quadros para crianças a partir de 3 anos:  Histórias da Zazou, Zazoulhices e Zarelhices em 20 minutos de pura diversão. 

18h

Acordes Sonâmbulos (de Mia a Rosa)

Show musical com Joel CostaMar. Nesse pocket show, Joel CostaMar convida o público para se deleitar com canções compostas a partir do mergulho nas obras de Mia Couto e Guimarães Rosa,

20h

 A Pena de Wilde

Teatro com Ailton Guedes. Neste monólogo de autoficção, o ator Ailton Guedes mistura vida real e ficção, com base no legado wildeano. O artista desvela, a cada instante da trama, o impacto que a beleza das palavras advindas da “pena” de Wilde, assim como a absurda condenação deste homem à “pena” de 2 anos de prisão por homossexualidade, tiveram sobre ele.

18 DE MARÇO

estreia.png
estreia.png

11h

Caldeirões Poéticos

Oficina da arte de juntar e misturar palavras com Rubia Konstantyni, para maiores de 10 anos, com inscrição prévia.  

18h

Deriva Poética com Laura Guimarães

Numa deriva que se inicia pela região da Praça da Sé, esquina da rua Direita com a XV de Novembro, a poeta e artista de arte urbana, mostrará seus micropoemas em empenas de prédios e muros da cidade. 

20h

Instruções para Chorar

Performance de Cynthia Domenico. Cyberfilme, baseado em poema homônimo de Júlio Cortázar, é uma investigação criativa livre na linguagem da videodança, inspirada no estilo literário de Júlio Cortázar para escapar da linearidade temporal, criando uma atmosfera que transita entre o real e o imaginário. 

20h10

Sangria

Show-lírico com Luiza Romão, baseado no livro homônimo da autora, o show mistura poesia, performance e música. A poeta revisita a história brasileira desde uma perspectiva feminista.

21h

Trem das Onze

Teatro, com a direção e dramaturgia de Lucas Sancho. A montagem é uma releitura da montagem Linha Férrea (2004), da escritora Tércia Montenegro, e  retrata as tragédias que aconteceram numa velha ferrovia. Todos os personagens estão ligados por estes trilhos. 

19 DE MARÇO

estreia.png

11h

Dom Quixote, o Cavaleiro Sonhador

Teatro de objetos com Kelly Orasi e Decio Gioielli. O espetáculo, uma adaptação da obra clássica de Miguel de Cervantes, é dirigido à infância de pais, filhos e a todos que já colocaram uma capinha nas costas e saíram em disparada para “salvar o mundo”.  

18h

Carta de Clarice para Janaina

Videodança de Rita Cavassana. Uma homenagem ao mar, a Clarice Lispector, uma saudação a Yemanjá. O poema videográfico inspirado no livro Água Viva  mostra o deleite do corpo feminino que bóia e segue o fluxo da água.  

18h10

Homo Sacer (Homem Sacro)

Videodança de Camila Soares. A partir da figura do Homo Sacer (Homem Sacro), apresentada por Giorgio Agamben,  elaboram-se questões acerca dos mecanismos de controle a que os corpos estão sujeitos. A cada momento, um novo dispositivo de controle aprimora-se e captura o corpo, os modos de vida, os desejos, as potências. 

20h

Só se fechar os olhos

Teatro narrado com Desvio Padrão. Duo de dança que só acontece dentro das mentes daqueles que, porque são cegos ou porque topam fechar os olhos para viver essa experiência, estão privados da visão. O texto que descreve esta dança inusitada é escrito por Edgar Jacques, ator e dramaturgo, cego desde a infância, que nunca viu uma obra de dança. E isto lhe permite criar o que bem entender. Ao se fechar os olhos e abrir os ouvidos, um mundo novo se apresenta.

20h30

Metamor

Show musical de Leo Bianchini, do coletivo 5 a Seco. Na literatura, Leo Bianchini, busca inspiração para muitas canções. A música que dá nome ao show é uma adaptação do poema Materesmofo, de Paulo Leminski. Especialmente para este Festival, Leo compôs mais canções com base em poesias que ele gosta de poetas contemporâneos com quem dialoga. 

20 DE MARÇO

estreia.png

ESTRÉIA

11h

Em Busca do Snark Invisível

Espetáculo musical infantil com Larissa Carneiro, Danilo Martim, Walmick de Holanda, Rafael Pucca e Rodrigo Risone.
Inspirado no poema A Caça ao Snark, do escritor inglês Lewis Carroll. 

ESTRÉIA

18h

Dom Casmurro

Filme toy movie de Quarentena Filmes, por Walmick de Holanda.
Livre adaptação da obra do escritor Machado de Assis pelo prisma da linguagem toy movie, com a participação remota de oito artistas. 

ESTRÉIA

18h10

Tituba e Eu

Performance de Fernanda Machado,  livremente inspirada no romance Eu, Tituba, bruxa negra de Salém, escrito por Maryse Condé, natural de Guadalupe. No livro, a escritora narra em primeira pessoa a vida de Tituba, mulher preta acusada de bruxaria num dos processos mais cruéis de matança de mulheres na Idade Média. 

ESTRÉIA

20h

Gaspar Z África

Pocket show Gaspar Z da Banda Z’África/Gaspar, apresentando o seu trabalho solo, com divulgação das músicas do audiobook O Nômade vol.1 e recitação das poesias, com a participação do DJ Tano, tricampeão consecutivo do campeonato brasileiro: HIP HOP DJ.

ESTRÉIA

20h30

RAP com um selecionadx na chamada pública para o Flow Literário

Que fará uma apresentação entre 5 a 10 minutos de seu trabalho inspirado em literatura.

20 DE MARÇO

estreia.png
estreia.png

SAIBA MAIS

Caldeirões Poéticos

oficina da arte de juntar e misturar palavras com Rubia Konstantyni

Caldeirões Poéticos – a arte de juntar e misturar palavras-encantos. Neste caldeirão convivem em harmonia Manoel de Barros, Cora Coralina, Penélope Martins, Ana Cristina César, Roseana Murray, Lya Luft, Lygia Fagundes Telles,  ngela Castelo Branco, versinhos populares e contos ancestrais, dentre outras preciosidades. Nós também nos aproximamos, e o cheiro do tempero que ferve chega ao nosso olfato feito fumaça que enfeitiça. E o convite aqui é para os participantes colocarem suas pitadas de criação poética, a partir de atividades propostas pela artista e educadora, numa espécie de jogo despretensioso e prazeroso de brincar com as palavras que borbulham!
A ideia é evidenciar que a literatura é algo acessível a todes, e que ler e escrever pode ser imanente aos nossos corpos. O público verá como pode ser divertido jogar e brincar com as palavras, basta permitir-se. 
Ao final, teremos uma exposição-sarau com as criações surgidas nessas horas de “brincar-poesia”.

 

Serão dois encontros virtuais gratuitos, em sala fechada via plataforma Zoom e com exibição na página do Festival.
Número de participantes: mínimo de 3, máximo de 10, acima de dez anos, com inscrição prévia.
Duração: 90 minutos 
Classificação: livre 

sobre a artista

Rubia Konstantyni. é artista-educadora, atriz, narradora de histórias, leitora em voz alta e produtora cultural. Graduada em Comunicação Social, é pós-graduada em A Arte de Contar Histórias e, atualmente, cursa Pedagogia. Já fez cursos nas áreas de Literatura, Mediação de Leitura, Artes Cênicas e Dança. 


Entre diversos trabalhos, já esteve à frente da Cia. Sábias Cenas de 2005 a 2015, realizando projetos de narrações de histórias, intervenções literárias e artes cênicas, e atuou como mediadora/orientadora da matéria Linguagens Expressivas no Colégio Bakhita de 2017 a 2018. Desde 2015, compõe o coletivo Di Péis, que pesquisa histórias e memórias acopladas às artes e suas potências. Para saber mais, acesse o canal deles no YouTube!

 

A Diversidade dos Sertões em Poucas Canções

show musical com Moreno Overá

É uma singela homenagem a Manoel de Barros.Neste show, você confere composições inéditas de Moreno Overá, inspiradas na obra de Manoel de Barros, seus jeitos inventivos de colorir vidas com palavras, de "coisar" os corações das gentes com sonhos de fazer andar as pernas, de correr com ventos, de deixar que a viola toque os avessos cantados dos passarinhos e declamar poemas ao grande poeta pantaneiro. 
A viola caipira, que nesta homenagem será ponteada, é na pantaneira afinação batizada de ”rio abaixo”. Quando todas as cordas soam abertas, brota o acorde de Sol, Sol maior. A ela junta-se um violoncelo, clássico e poético, e, às vezes, a rabeca, ancestral do violino, rústica e harmônica. Os dois instrumentos e as vozes dos artistas contam, cantam e vibram.
Com Moreno Overá na viola caipira e voz e Rafael Gandolfo na rabeca e violoncelo.

 

Duração:  40 minutos
Classificação: livre

ficha técnica

Viola caipira e voz
Moreno Overá

Rabeca e Violoncelo 
Rafael Gandolfo 

 

sobre os artistas

Moreno Overá, natural de Campinas, SP, é intérprete e compositor e um dos violeiros mais conhecidos do Vale do Paraíba. Vive em São Luiz do Paraitinga desde 2008 e, em seu trabalho, ressalta a importância da cultura popular, da educação através da arte, da arte popular na difusão da cultura de paz e no reavivamento dos valores humanos. Para isto, ele usa música, poesia, contos folclóricos e a viola caipira, seu instrumento de expressão. Ele já gravou os CD's A Nave - III Milênio (1998), Brasil Viola (2012) e Viola Paulista pelo selo SESC (2018), com outros artistas. Também já integrou o grupo Tarancón e, junto à URI, idealizou e coordenou o festival Uma Canção pela Paz, em Buenos Aires (2016) e em São Luiz do Paraitinga (2017). Em 2020, participou do XIº Seminário Regional de Promoção da Saúde e Cultura de Paz, promovido pelo Núcleo VIVA a Paz.Se você quiser conhecer mais um pouco do seu trabalho, acesse seu canal no YouTube!


Rafael Gandolfo iniciou seus estudos de violoncelo no Conservatório de Tatuí. Sua paixão pela música popular, principalmente a brasileira, fez com que buscasse em festivais de música, com outros instrumentistas, formas de aplicar seu instrumento na música brasileira. Participou de trilhas sonoras para espetáculos de teatro e dança, além de apresentar-se em projetos com artistas como André Marques (Orquestra Popular de Música Instrumental Brasileira) e Ieda Terra (turnê de lançamento do CD Libélula). 

 
estreia.png

37 GRAUS

espetáculo literomusical com as poetas Anna Zêpa e Eveline Sin e os músicos Fernanda Broggi, Meno Del Picchia e Zé Nigro.

As poetas Anna Zêpa e Eveline Sin juntaram-se para documentar oral e musicalmente os seus escritos, muitos inéditos e criados especialmente para o espetáculo literomusical 37 GRAUS e seu registro no disco Poesia em Vinil. A trilha foi composta por Marcelo Cabral, produtor musical e multi-instrumentista, que alinhavou os poemas para o disco. E foi a partir daí que surgiu o 37 GRAUS em sua versão cênica, unindo música e poesia, com o coletivo composto pelas poetas e os músicos Fernanda Broggi, Meno Del Picchia e Zé Nigro. 


Neste espetáculo, as poetas apresentam não só seus próprios poemas mas, também, textos de artistas como Alice Ruiz, Ferreira Gullar, Orides Fontela, Chacal, Cecília Meireles, Alessandra Leão, Marcelino Freire, Daniel Minchoni e Maria Giulia Pinheiro. E cantam músicas compostas por Kiko Dinucci, Jonathan Silva, Alessandra Leão, Meno Del Picchia, Luê e Zé Nigro, inspiradas em seus poemas. 


Tudo pensado e criado a partir do diálogo entre literatura e música. 
 

A apresentação de 50 minutos completa-se com a projeção de imagens das poesias e das poetas.
Classificação: livre 

ficha técnica

Performance, voz e poesia

Anna Zêpa

Eveline Sin
 

Músicos

Fernanda Broggi

Meno Del Picchia

Zé Nigro

sobre os artistas

Eveline Sin, artista, poeta, tem cinco livros publicados: Devolva Meu Lado De  Dentro (2012), pela Editora Jovens Escribas e Selo DoBurro;  Na Veste Dos Peixes As Palavras De Ontem (2014) e Manga Espada (2015), pelo Selo DoBurro. Em 2017, lançou Capim Santo – Eveline Sin Até Aqui, reunindo seus três livros, e também Paetê Pantim, ambos pelo Selo DoBurro. Em 2021, está publicando Caninana.

 

Anna Zêpa, atriz e escritora, tem três livros publicados: Primeiro Corte (2013) e  aconvivênciadosnossosrastros (2015) pelo Selo DoBurro, e Da perda à pedra a queda é livre (2016) pelos selos Demônio Negro e Douda.


Fernanda Broggi, cantora, preparadora vocal, compositora, percussionista e professora. É pandeirista do grupo de música popular “Roda no Meio Fio”, faz parte do grupo “Trupe Pé de Histórias” e atuou como percussionista da Companhia de Teatro de Heliópolis em 2019 durante a temporada do espetáculo (IN)JUSTIÇA, indicado ao prêmio Shell na categoria “música” neste mesmo ano.


Meno Del Picchia, músico e antropólogo, seu trabalho atravessa o universo sonoro pela arte, a pesquisa acadêmica e a produção musical. Tem quatro discos solos lançados e é membro do Litheratório. Meno já tocou com diversos artistas como Karina Buhr, Tulipa Ruiz, entre outros e em 2020, foi indicado ao Prêmio Shell pela direção musical do espetáculo Injustiça, com a Cia de Teatro Heliópolis.


Zé Nigro é produtor musical e multi-instrumentista. Atuou como instrumentista em discos de artistas como Anelis Assumpção, Luisa Maita, Luê e Curumin.

 

TV ZAZOU, Um Amor de Bruxa

narração/atividade/pergunta, por Nadine Trzmielina.

A TV ZAZOU é um canal voltado para crianças, pais e educadores, com o intuito de levar conteúdos lúdicos e divertidos criados a partir do universo de Zazou, um amor de bruxa! 

Criada pela autora Nadine Trzmielina no livro Carmesinda Aretuza – Zazou, esta personagem estava prestes a ganhar os palcos na peça infantil Zazou - Um Amor de Bruxa, até que chegou a pandemia com sua necessidade de isolamento social e a montagem teve que esperar. Mas as cabeças por trás dela não pararam e nasceu, então, a TV ZAZOU, idealizada por Nadine Trzmielina, Carol Hubner, Ailton Guedes e Antonio Ranieri, e com a colaboração dos artistas envolvidos no espetáculo teatral. 

No programa, as crianças assistem a 3 quadros: 

- HISTÓRIAS DA ZAZOU: com artistas narrando a seu modo contos do universo de Zazou.

- ZAZOULHICES: em que a própria autora, que é também arte-educadora, propõe uma atividade relacionada à história do programa e ensina a fazê-la.

- ZARELHICES: onde nossa bruxinha Zazou, interpretada pela atriz Carol Hubner, responde a curiosidades das crianças com a ajuda de especialistas.


 

Duração: 20 minutos
Classificação: livre 

 

ficha técnica

Equipe de criadores 

Nadine Trzmielina

Ailton Guedes

Carol Hubner

Antonio Ranieri

Adba Cuba

Carolina Stofella, Rodrigo Nascimento

Lala Machado

Heron Medeiros

Raphael Gama

Fabíola Alves

César Pivetti 

 

Textos e ilustrações

 Nadine Trzmielina 

 

Direção

Ailton Guedes

Nadine Trzmielina

Carol Hubner

Edição geral dos vídeos e vinhetas

Carol Hubner

Artes de divulgação

Heron Medeiros

 

Músicas

Raphael Gama

 

Vozes das vinhetas

Carol Hubner

Gael Meligeni

Alice Meligeni

 

Produção executiva

Carol Hubner

 

Produção

Coletivo Fileira 3

sobre os artistas

Nadine Trzmielina nasceu no Cairo e vive em São Paulo. Formada pelo Mackenzie, atua em teatro, televisão e cinema como atriz, cenógrafa, figurinista e diretora. É artista plástica, autora de diversos livros infantojuvenis, textos de teatro e roteiros para TV. Realizou projetos de educação ambiental em escolas e prefeituras, e atua como contadora de histórias e arte-educadora, na criação de vídeos educativos e em dramaturgia. Na televisão, de 2005 a 2008, foi responsável pelo desenvolvimento do Projeto Zarelhos. E em 2005, participou do Programa X-Tudo, da TV Cultura. Possui várias publicações como consultora, tradutora e autora, com várias premiações da FNLIJ — Era Uma Vez um Gato da Epopeia Editora; Já Sei Ler, da Editora Lorem Ipsum; e Crianças Famosas: Portinari, da Editora Callis. Como ilustradora, fez as ilustrações dos livros Ceramicando, de Vidal, J. J., pela Editora Callis; Roda de Prosa, pela Editora Viagem de Letras; e Poetizando Diferenças, pela Prefeitura do Município de São Paulo. 

Atualmente desenvolve um projeto virtual e interativo com os personagens de seu livro Zazou, lançado pela editora portuguesa Chiado.

 
estreia.png

Acordes Sonâmbulos (de Mia a Rosa)

show musical com Joel CostaMar

Nesse pocket show, Joel CostaMar convida o público para se deleitar com canções compostas a partir do mergulho nas obras de Mia Couto e Guimarães Rosa,onde as palavras ganham encantos em acordes, criando paisagens sonoras que ligam o sertão ao mar. O show incide na pesquisa literária de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, e Terra Sonâmbula, de Mia Couto, num recorte de linguagens e sentidos que incitam composições musicais a partir de referências culturais e deslocamentos humanos — seus ritos afetivos e sagrados. O artista cria uma costura musical e sonora entre a poética da vida sertaneja ficcionada pela realidade de suas raízes e a poética multicultural moçambicana, tendo como elo a língua portuguesa e sua musicalidade.


As sete músicas que compõem o repertório propõem expandir os sons da fala escrita, evidenciar o que não é falado nos silêncios e apontar reflexões sobre a miséria e o escravagismo ditados pelo colonialismo, que ecoam até hoje como reflexo de quem somos como nação neste cadinho chamado Brasil. Violão, canto, percussões variadas e narrativas orais conduzem estes Acordes Sonâmbulos.

Duração: 30 minutos 
Classificação: livre 


 

ficha técnica

Concepção e interpretação

Joel CostaMar
 

Pesquisa bibliográfica, captação de imagem, luz e som

Alexander Martins Vianna  

 

Pesquisa bibliográfica, cenografia, figurino e maquiagem

Gabriele Rosa
 

Produzido na Casa da Luz da Manhã - Terreiro Cultural pelo projeto Tríptico Germinante

sobre o artista

Joel CostaMar é músico, compositor, ator, narrador de histórias e pesquisador do canto popular brasileiro. Iniciou sua atuação na música em 1998. Como violonista, cantor e compositor, acumula três trabalhos próprios e dezenas de parcerias.
Recebeu o prêmio de Melhor Trilha Sonora do festival de Conselheiro Lafaiete/MG, com o espetáculo Teatro de Sombras de Ofélia e é idealizador do Projeto in Cantaria, grupo musical e teatral que promove saraus na região do ABC paulista e São Paulo. Cria e produz trilhas para cinema e teatro e, atualmente, faz parte das atividades performáticas em ensino Cuidado poema, através do projeto Tríptico Germinante, como músico e artista convidado na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

estreia.png

A Pena de Wilde

 teatro com Ailton Guedes

Neste monólogo de autoficção, o ator Ailton Guedes mistura vida real e ficção, com base no legado wildeano. Cria um ambiente cotidiano e íntimo que, gradativamente, atinge outras dimensões de percepção da realidade. O artista desvela, a cada instante da trama, o impacto que a beleza das palavras advindas da “pena” de Wilde, assim como a absurda condenação deste homem à “pena” de 2 anos de prisão por homossexualidade, tiveram sobre ele.As memórias, as angústias e os desejos destes dois artistas, Guedes e Wilde, separados por mais de um século, contaminam-se, e o público é mergulhado num universo que mistura realidades distintas: uma borracharia do Marapé com o Palácio de Buckingham, uma drag queen com um carcereiro, dor com prazer.

Duração: 50 minutos
Público: adulto +14


 

ficha técnica

Dramaturgia, direção e atuação

Ailton Guedes
 

Orientação

Luiz Fernando Marques (Lubi)
 

Direção de arte e figurinos

Nadine Trzmielina
 

Cenografia

Heron Medeiros
 

Confecção de figurino

Waldir Correa
 

 

Produção executiva

Ailton Guedes
 

Colaboração

Adbailson Cuba

Dione Carlos

Lucas Sancho, Alexandre Maradei

Maurício Garcia

Escola Livre de Teatro de Santo André (ELT) e Sesc Santos

sobre o artista

Ailton Guedes, nascido em Santos, é ator, contador de histórias, arte-educador, professor e produtor. Formado em Letras, é pós-graduado em A Arte de Contar Histórias, com extensões em Arte-educação e em Teatro e Sociedade. Fez diversos cursos nas áreas das artes cênicas e literatura. Estreou como ator profissional em 2002, em São Paulo, na tragédia MEDEIA 2, sob a direção de Antunes Filho. Atuou em diversas montagens e, em 2019, foi indicado ao Prêmio do Humor na categoria Melhor Performance, por sua atuação na comédia Contos de Barbas, sob a direção de Eduardo Martini. 

Deriva Poética

microrroteiros poéticos de Laura Guimarães

Numa Deriva Poética que se inicia pela região da Praça da Sé, esquina da rua Direita com a XV de Novembro, a poeta e artista de arte urbana Laura Guimarães, mostrará alguns de seus trabalhos em empena de prédio, em muros e outros espaços da cidade, onde cola micropoemas de sua autoria — feministas, em sua maior parte — desde que começou a ir para a rua, em 2010. 

A deriva de Laura Guimarães, registrada pelo videomaker Thiago Miagy, é de 30 minutos. 
Classificação: livre


 

sobre a artista

Laura Guimarães é roteirista, poeta e artista de rua. Em 2009, criou o projeto Microrroteiros da Cidade com a proposta de convidar as pessoas a imaginarem uma história de repente, no meio do caminho. Nos últimos 10 anos, além dos lambe-lambes nas ruas de São Paulo e de outras cidades do Brasil e do mundo, Laura também realizou intervenções individuais e coletivas, e murais com diferentes técnicas, como a exposição em formato de projeções, microrroteiros da cidade na Praça das Artes, o Mural da Escuta, na parede externa do antigo MAC-USP, a Exposição São Paulo Invisível no Museu da Cidade, microrroteiros e intervenções do público para o Museu da Língua Portuguesa, microrroteiros de mulheres e desenho de áudios para o Sesc na Flip 2018; Art Rua 2015; intervenções em diferentes unidades do Sesc; diversos painéis na região central de São Paulo com a CASA RODANTE, além da empena de um prédio ao lado da Praça da Sé, em colaboração com Simone Siss, para o projeto Tarsila Inspira, como parte do MAR (Museu de Arte de Rua). 

estreia.png

Instruções para Chorar

performance de Cynthia Domenico

Cyberfilme baseado em poema homônimo de Júlio Cortázar, Instruções para Chorar (2007) é uma investigação criativa livre na linguagem da videodança, inspirada no estilo literário de Júlio Cortázar para escapar da linearidade temporal, criando uma atmosfera que transita entre o real e o imaginário. Utilizando uma câmera de fotografia cybershot para realizar a filmagem e objetos do cotidiano como elementos narrativos, os artistas investigam a relação da dança para a câmera e exploram, também, a aplicação do pensamento coreográfico na edição do vídeo, trazendo elementos como pausa, repetição, aceleração e desaceleração na montagem.

Duração: 9 minutos
Classificação: livre



 

ficha técnica

Performance e coreografia original Cynthia Domenico


Montagem coreográfica

André Martinez
 

Direção e fotografia

Leonardo Maia

 

sobre a artista

Cynthia Domenico é artista multimídia. Desde 2007, pesquisa a transmidialidade na dança e cria coreografias por meio de diferentes suportes. A artista encontrou nos espaços públicos dos centros urbanos o espaço expositivo e o público para suas obras. Tem uma vasta produção em videodança: Fuga em dor maior (2010) estreou no programa Primeiro Passo do Sesc Pompeia (SP), com curadoria de Helena Katz; Sozinhos entre Fatias (2011) participou de mais de 14 festivais e mostras internacionais. Foi selecionada para a mostra Melhores Filmes Lakino II do Lakino - Festival de Curta-metragem Latino-Americano de Berlim (2011) e foi finalista do Festival Plataforma Berlin. Trabalhou com diretores como Jorge Garcia, Guy Alloucherie, Claudia Müller, Leticia Sekito, entre outros, e, em 2010, ganhou o Prêmio Mostra de Artistas no Exterior da Fundação Bienal de São Paulo, para estrear a performance Como nascem as estrelas? na Mostra ZAAT010 em Lisboa, Portugal.

Sangria

show-lírico com Luiza Romão

Baseado no livro homônimo de Luiza Romão, o show-lírico Sangria mistura poesia, performance e música. A poeta revisita a história brasileira desde uma perspectiva feminista,discutindo questões como colonialismo, cultura do estupro e resistência das mulheres. O projeto estreou em 2017 e já se apresentou em diversas cidades, contando com a participação de convidadas especiais como Alice Ruiz, Luz Ribeiro, Angélica Freitas, Amara Moira, Coletivo Alcova, Leticia Bassit, Kimani, Jennyfer Nascimento, entre muitas outras escritoras e artistas da palavra. Acompanhada pelas musicistas Vânia Ornelas (baixo acústico) e Juba Carvalho (percussionista), a poeta performa os poemas. Além disso, o show contará com a participação especial de três artistas da palavra: Midria, abigail Campos Leal e Letícia Rodrigues.

Duração: 50 minutos 
Público: 14 anos e +




 

ficha técnica

Direção geral e spoken word

Luiza Romão

 

Direção musical

Tomás Bastos

Vânia Ornelas

Juba Carvalho
 

Musicistas

Juba Carvalho

Vânia Ornelas
 

Convidadas especiais

Midria

abigail campos leal

Letícia Rodrigues

 

sobre a artista

Luiza Romão é atriz, diretora teatral e slammer. Mestranda em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), formou-se em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (ECA/USP), com habilitação em Direção Teatral, e como atriz na Escola de Artes Dramáticas (EAD/USP). Como atriz, atuou em Inútil Canto, Inútil Pranto pelos Anjos Caídos, de Plínio Marcos, com direção de Rogério Tarifa; O preceptor, com direção de Rogério Toscano; 1, 2, 3 quando acaba começa tudo outra vez, do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, sob a direção de Cláudia Schapira; Este belo terço de vosso vasto reino, de Teatro Documentário, com direção de Marcelo Soler. Dirigiu os espetáculos Maria Inês ou o que você mata para sobreviver, com a Cia. Ato Reverso e Muda, com Slam das Minas/SP, entre outros. Além disso, desenvolve trabalhos autorais que mesclam poesia, performance e cinema, como a websérie Revide, o média-metragem Sangria (premiado no México, Caribe e Argentina, e com circulação em festivais de Porto Rico, Cuba, Uruguai e diversos Estados do Brasil) e a videoarte Literatura Ostentação. Possui dois livros de poesia pelo Selo DoBurro: Coquetel Motolove e Sangria. Também foi vice-campeã brasileira no Slam BR, em 2014. 

Trem das Onze

teatro com Lucas Sancho

A peça retrata as tragédias que aconteceram numa velha ferrovia. Os personagens encontram-se no limite. Seus caminhos cruzam-se em histórias, como a de um filho que pretende fazer um inusitado passeio com sua madrasta tetraplégica; uma procissão nos trilhos; uma bailarina que sofre de amor; um homem que paga por um crime do passado; o administrador da ferrovia atormentado; uma detenta que sonha em ser enterrada vestida de santa. Todos estes personagens estão ligados por estes trilhos. Um passeio, cercado de pessimismo, crueldade, misticismo e vingança.


O espetáculo busca estudar o comportamento do ser humano perante uma situação-limite, fazendo com que este indivíduo revele seus instintos mais primitivos, evidenciando um lado que, quase sempre, é desconhecido por ele próprio. Isso faz com que carregue uma culpa sufocante e mortal. 


A montagem é uma releitura da montagem Linha Férrea (2004), da escritora Tércia Montenegro,e tem dramaturgia e direção de Lucas Sancho. Na época, o espetáculo teve grande êxito de público e crítica, destacando-se no FILO – Festival Internacional de Londrina.

Duração: 70 minutos 
Público: 14 anos e +





 

ficha técnica

Inspirado na obra “Linha Férrea” de Tércia Montenegro.


Elenco

Beatriz Aguera

Carol Capacle

Carol Rainatto

Eliot Tosta

Érica Ribeiro

Lucas Sancho

Rodrigo Risone

Thaize Pinheiro
 

Músicas

Daniel Groove
 

Direção de Arte

Lucas Sancho e o Grupo.

 

sobre o artista

O dramaturgo e diretor Lucas Sancho é natural de Fortaleza/CE, mas reside em São Paulo desde 2008. Diretor, ator e dramaturgo, ao todo já soma 35 espetáculos e acumula 30 prêmios em festivais de teatro pelo País. Em 2018, estudou no CPT – Centro de Pesquisa Teatral, coordenado por Antunes Filho. Em 2001, ainda em Fortaleza, fundou e dirigiu por dez anos o Grupo Cabauêba de Teatro, importante grupo da cena independente no início dos anos 2000. Nele, assinou a direção e a dramaturgia dos espetáculos Mistério (2003), Linha Férrea (2004), Vento Verde (2005), As Meninas (2006), e dirigiu Sobre o Fim (2011). Fundou, em 2008, o Núcleo O Ator Maestro, no qual desenvolve a pesquisa homônima. Pelo Núcleo, criou diversos espetáculos, sendo o mais recente deles O Jardim Suspenso ou A Lucidez do Amor Irracional (2019). É também o criador da Magnolia Cultural, produtora de espetáculos e projetos independentes, e com ela produziu e dirigiu os espetáculos O Trem das Onze (2013), Tigrela (2017) e Em Busca do Snark Invisível (2018), entre outros. Atualmente, ensaia o musical Pra Não Faltar Amor (2020) e o thriller O Homem Novo (2020). 

Dom Quixote, o Cavaleiro Sonhador

 teatro de objetos com Kelly Orasi

e Decio Gioielli.

Uma adaptação de Kelly Orasi da obra clássica de Miguel de Cervantes. Enquanto o mundo começa a ser explorado pelas navegações, um velho fidalgo ainda sonha em ser cavaleiro. Com a velha armadura de seu bisavô, o herói Dom Quixote de La Mancha sai em busca do amor e da justiça, acompanhado por seu fiel escudeiro Sancho Pança. Espetáculo eleito por Gabriela Romeu (Folha de S. Paulo) e recomendado por Fernanda Araújo (Guia de O Estado de S.Paulo). Em cena, dois artistas dispostos a compartilhar uma história com o público. A atriz, Kelly Orasi, apropria-se das palavras e da animação de objetos. Livros e brinquedos ganham vida e dão asas à imaginação do público. O músico, Décio Gioielli, faz intervenções precisas, mesclando instrumentos melódicos e de percussão, que representam ações e emoções das personagens. Dom Quixote, o Cavaleiro Sonhador é um espetáculo dirigido à infância de pais, filhos e a todos que já colocaram uma capinha nas costas e saíram em disparada para “salvar o mundo”.  Afinal, o “Cavaleiro da Triste Figura” manifesta o desejo latente de ser um herói, e disso as crianças entendem como ninguém.

Indicado para crianças a partir de 5 anos. 
Duração: 50 minutos


 

ficha técnica

Texto, criação e direção

Kelly Orasi 
 

Elenco

Kelly Orasi

Décio Gioielli
 

Preparação corporal

Peti Costa 
 

Figurino

Ana Luísa Lacombe 
 

Trilha sonora

Décio Gioielli 

 

Adereços

Paula Galasso

Kelly Orasi
 

Iluminação

Luciano Bueno 
 

Cenário

Kelly Orasi 
 

Fotografia

André Rosso 
 

Produção

Núcleo Histórias e Objetos

sobre os artistas

A partir de 2017, o Núcleo Histórias e Objetos passou a assumir as produções do Núcleo Trecos e Cacarecos de Teatro, formado por Lilian Guerra e Kelly Orasi em 1993. Em seus vários anos de estrada e de palco, a principal motivação artística do Trecos e Cacarecos foi o público infantil em seu caráter crítico e espontâneo, buscando uma história e uma estética desafiadoras em cada espetáculo. Estas características foram apontadas pela crítica em sua primeira montagem (1994), Guerra Dentro da Gente, de Paulo Leminski, cujas temporadas e participações em várias mostras e festivais revelaram um grupo empenhado nas inovações estéticas e temáticas no teatro para a infância e a juventude. Em seu primeiro espetáculo para o público adulto, Mulheres, com direção de Sandra Vargas, do Grupo Sobrevento, o Núcleo descobriu e apaixonou-se pela técnica do teatro de objetos. Ao participar do FITO – Festival Internacional de Teatro de Objetos, o grupo decidiu seguir sua pesquisa no teatro de objetos com a montagem do espetáculo Dom Quixote, o Cavaleiro Sonhador, premiado pela Revista Crescer como um dos melhores de 2011 e com duas pré-indicações ao prêmio FEMSA nas categorias “Melhor Atriz” e “Especial” (pela escolha e manipulação de objetos). O Núcleo Histórias e Objetos foi fundado por Kelly Orasi, em 1998, com objetivo de aprofundar-se nas possibilidades estéticas da performance narrativa. Hoje, esta fusão é agregadora de muitas experiências e geradora de novos projetos, como o espetáculo A Flor Amarela
Saiba mais em www.boashistorias.com.br

estreia.png

Carta de Clarice para Janaina

videodança de Rita Cavassana

Uma homenagem ao mar, a Clarice Lispector,  uma saudação a Yemanjá. Um poema videográfico inspirado no livro Água Viva, mostra o deleite do corpo feminino que bóia e segue o fluxo da água. Seu processo foi realizado na cidade de Natal (RN) e gravado na cidade de Nísia Floresta nos arrecifes da praia de Barra de Tabatinga.

Duração: 5:25 minutos 
Classificação: livre


 

ficha técnica

Performance e edição

Rita Cavassana
 

Câmeras

Agah Precária

Mariana Cunha

sobre a artista

Rita Cavassana é artista interdisciplinar e educadora. Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Bacharel em Comunicação das Artes do Corpo pela PUC-SP. Como coreógrafa e diretora, foi contemplada no edital Novos Coreógrafos Site-Specific do Centro Cultural de São Paulo, ProAc Primeiras Obras. Juntou-se à equipe da Acervo Mariposa, videoteca especializada em dança, e foi educadora em programas da cidade de São Paulo, como Programa Vocacional e Fábrica de Cultura. Em 2019, frequentou o C.E.M - Centro Em Movimento, em Lisboa, Portugal. Integrou como intérprete-criadora no Núcleo Experimental de artes cênicas do SESI-SP e nas obras artísticas do Coletivo Intransito, Conexão Zat, Núcleo Argonautas de Teatro, Projeto Cartas a Renato Cohen. Participou de festivais de videoarte e performance no Brasil e na América Latina.

Homo Sacer (Homem Sacro)

videodança de Camila Soares

[a gaiola] O mundo ao redor, através, dentro, fora. [o gradil] O que tem sido capturado do corpo e o que escapa ao aprisionamento? [o corpo] Existe movimento possível? [sopro de vida] Escape. Isso é [real]?


A partir da figura do Homo Sacer (Homem Sacro), apresentada por Giorgio Agamben como a cifra para compreender a biopolítica contemporânea, elaboram-se questões acerca dos mecanismos de controle a que os corpos estão sujeitos. A cada momento, um novo dispositivo de controle aprimora-se e captura o corpo, os modos de vida, os desejos, as potências. Se a sacralização do corpo é a estratégia da captura biopolítica, a profanação traz de volta a possibilidade de escorregar para fora da captura e criar outros modos provisórios e precários de existência do corpo como potência política.


Filmada em Botucatu.

Duração: 12:36  minutos 
Classificação: livre

 

ficha técnica

Concepção, direção e interpretação

Camila Soares
 

Trilha sonora original

Thiago Righi
 

Captação de imagem

Marina Tavares
 

Edição

Cynthia Domenico
 

Captação e mixagem

Guilherme Chiappetta
 

Realização

Incubadora - Plataforma de cocriações

sobre a artista

Camila Soares é artista da dança e do movimento, com interesse em biopolítica, processos educativos e na arte como potência de vida. Atualmente professora substituta no Curso de Bacharelado em Dança na Universidade Federal de Uberlândia, é graduada e licenciada em Dança pela UNICAMP - Universidade Estadual de (Campinas/SP), Especialista em Técnica Klauss Vianna pela PUC-SP e Mestre em Educação pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo (Guarulhos/SP).  Em 2017, produziu e dançou a videodança Homo Sacer - material que acompanhou a pesquisa e a produção da dissertação de mestrado em Educação. Neste mesmo ano ministrou o curso de extensão Singularidade Somática na UFABC - Universidade Federal do ABC. Em 2016 e 2017 trabalhou como artista-orientadora no Programa de Qualificação em Dança, da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, com curadoria de Ismael Ivo. Desde 2017, é cofundadora e editora da Revista TKV - revista on-line com foco de interesse em pesquisas a partir da Técnica Klauss Vianna. Entre 2017 e 2018, frequentou o curso intensivo de formação O Risco da Dança no c.e.m - centro em movimento (Lisboa-PT), seguido por um período de estágio e criação na mesma instituição, com a qual mantém vínculo. Ainda em Lisboa, participou do "Festival Pedras’18 - em que mundo queremos viver?” em julho de 2018, com o trabalho de corpo e movimento intitulado BICHO.
Para saber mais: www.camilasoares.com.br

Só se fechar

os olhos

teatro narrado com Desvio Padrão

Em cena, duas mulheres paradas lado a lado. Portam pesados vestidos de veludo que, de tão longos, acumulam-se no chão. E cintos, de onde pendem estranhos objetos. Se o(a) espectador(a) fechar os olhos e abrir os ouvidos, ele(a) as vê. E elas dançam. 


Com concepção e performance de Maria Fernanda Carmo e Mariana Farcetta, Só se fechar os olhos é um duo de dança que só acontece dentro das mentes daqueles que, porque são cegos ou porque topam fechar os olhos para viver essa experiência, estão privados da visão. O texto que descreve esta dança inusitada é escrito por Edgar Jacques, ator e dramaturgo, cego desde a infância. O criador desta obra de dança nunca viu uma obra de dança. E isto lhe permite criar o que bem entender.


Da eterna questão da complexidade e beleza da tradução intersemiótica nasceu Só se fechar os olhos, uma obra que partiu da experiência em audiodescrição de espetáculos de dança para saltar para o campo da criação, brincando com o real e o imaginário, o possível e o impossível. Ao se fechar os olhos e abrir os ouvidos, um mundo novo se apresenta.

Duração: 25 minutos
Classificação: livre

 

ficha técnica

Criação conjunta de

Edgar Jacques

Enrique Menezes

Maria Fernanda Carmo

Mariana Farcetta do Desvio Padrão Coletivo 
 

Concepção e Performance
Maria Fernanda Carmo
Mariana Farcetta 

 

Texto, coreografia e direção de narração

Edgar Jacques 
 

Narração

Maria Fernanda Carmo
 

Composição e viola caipira

Enrique Menezes 
 

Violoncelo
Rafael Ramalhoso

 

Sonorização

Maria Fernanda Carmo

Enrique Menezes
 

Produção de Libras

FFomin Acessibilidade e Libras

Carol Fomin

Vânia Mantovan

Performance de Libras

Catharine Moreira

Nayara Silva 
 

Intérprete de Libras

Carol Fomin

Claudia Ferreira  

Thalita Passos 
 

Figurino

Mariana Farcetta 
 

Maquiagem

Felipe Ramirez 
 

Operação de luz

Fernando Melo

 
Câmeras

Thamires Mulatinho 
 

Produção

Coletivo Desvio Padrão 

sobre o artista

Desvio Padrão é um coletivo composto por pessoas que transitam nas pontas da curva normal — cegos, videntes, surdos e ouvintes atuantes no campo da cultura como artistas, técnicos e/ou produtores. Aqui, eles invertem a posição da curva e do guarda-chuva, formando um bote. Quem estava na ponta tomando chuva escorrega para o meio e fica junto e misturado com quem estava no privilégio do sequinho.

Metamor

show musical de Leo Bianchini, do coletivo 5 a Seco

Na literatura, Leo Bianchini, do coletivo 5 a Seco, busca inspiração para muitas canções. A música que dá nome ao show é uma adaptação do poema Materesmofo, de Paulo Leminski, grande poeta que inspirou muitos músicos pelo seu lirismo, reinvenção e invenção de palavras e toques de humor.  Leo gravou Metamor no Disco Mundrungo. De Leminski, ele também toca Dor Elegante. Outra canção presente no repertório é Geografia Sentimental, musicalização de um poema do Vinicius Calderoni, escritor, diretor de teatro e também integrante do coletivo 5 a Seco, que faz parte do disco Síntese. Especialmente para este Festival, Leo compôs mais canções com base em poesias que ele gosta.

Duração: 30 minutos 
Classificação: livre

 

ficha técnica

Produção e performance

Leo Bianchini
 

Captação de áudio

Francesco Fino Meoli
 

Mixagem e masterização de áudio

Pedro Serapicos 
 

Captação e edição de imagem

Diogo Martins

 

Roteiro

Luca Argel


Apoio de produção

Laura Sobral

Nati Valle

Cauê Nardi e Janeiro

sobre o artista

Músico, compositor, pesquisador musical e estudioso de percussão africana, Leo Bianchini desenvolve seu trabalho autoral em carreira solo, junto ao coletivo de compositores 5 a Seco e com o projeto de música e migração Músico Cidadão. Com centenas de shows em cidades brasileiras e turnês europeias, Leo Bianchini tem 5 CDs lançados junto a seus coletivos. Entre seus parceiros de composição encontram-se nomes como Chico César, Celso Viáfora e Paulo Leminski. Leo mistura múltiplas referências em suas composições: a pegada pop contemporânea desenvolvida com seus parceiros do 5 a Seco, a canção experimental paulistana, fruto de sua vivência pela cidade com artistas como Barão Di Sarno e Carlos Zimbher; mais os toques e claves das músicas tradicionais que aprende com seus amigos imigrantes e refugiados. Esta mistura dá o tom popular, irreverente e multicultural de seu trabalho.

estreia.png

Em Busca do Snark Invisível

espetáculo musical infantil com Larissa Carneiro, Danilo Martim, Walmick de Holanda, Rafael Pucca e Rodrigo Risone

Inspirado no poema A Caça ao Snark, do escritor inglês Lewis Carroll, o musical infantil Em Busca do Snark Invisível discute o medo na infância e a valorização da singularidade do indivíduo. A peça acompanha uma expedição náutica em busca do Snark, uma criatura difícil de definir, mas com características peculiares: meio caracol, meio cobra, meio tubarão. Sob as ordens da capitã Sineira, que carrega um mapa em branco, a tripulação é formada por personagens bastante inusitados: um Banqueiro, que tem o pilar da sua existência calcado no dinheiro; um Açougueiro, que parece acreditar em tudo o que os outros falam e não sabe bem quem é; um Chapeleiro, que preza pela justiça e pela investigação antes de qualquer julgamento; e um Castor muito hábil com os livros e com as palavras. Juntos, cantando e interagindo com o público, irão embarcar nesta jornada de descobertas do mundo e sobre eles próprios.


O espetáculo musical Em Busca do Snark Invisível utiliza a figura temida do Snark (um ser misterioso e perigoso) para falar do medo na infância de forma leve e divertida. Apresenta um personagem invisível que pode ser temido, combatido e/ou mesmo nem existir.

Duração: 50 minutos
Classificação: livre

 

ficha técnica

Músicas

João Rocha

Lucas Sancho
 

Direção musical e arranjos

João Rocha
 

Elenco

Danilo Martim

Larissa Carneiro

Rafael Pucca

Rodrigo Risone  

Walmick de Holanda

 

Cenário e iluminação

Lucas Sancho
 

Figurino

Walmick de Holanda

Danilo Martim

Lucas Sancho
 

Técnica

Lucas Vedovoto

sobre o artista

O dramaturgo e diretor Lucas Sancho é natural de Fortaleza/CE, mas reside em São Paulo desde 2008. Diretor, ator e dramaturgo, ao todo já soma 35 espetáculos e acumula 30 prêmios em festivais de teatro pelo País. Em 2018, estudou no CPT – Centro de Pesquisa Teatral, coordenado por Antunes Filho. Em 2001, ainda em Fortaleza, fundou e dirigiu por dez anos o Grupo Cabauêba de Teatro, importante grupo da cena independente no início dos anos 2000. Nele, assinou a direção e a dramaturgia dos espetáculos Mistério (2003), Linha Férrea (2004), Vento Verde (2005), As Meninas (2006), e dirigiu Sobre o Fim (2011). Fundou, em 2008, o Núcleo O Ator Maestro, no qual desenvolve a pesquisa homônima. Pelo Núcleo, criou diversos espetáculos, sendo o mais recente deles O Jardim Suspenso ou A Lucidez do Amor Irracional (2019). É também o criador da Magnolia Cultural, produtora de espetáculos e projetos independentes, e com ela produziu e dirigiu os espetáculos O Trem das Onze (2013), Tigrela (2017) e Em Busca do Snark Invisível (2018), entre outros. Atualmente, ensaia o musical Pra Não Faltar Amor (2020) e o thriller O Homem Novo (2020). 

Dom Casmurro

toy movie de Quarentena Filmes, por Walmick de Holanda

Dom Casmurro é uma livre adaptação da obra do escritor Machado de Assis pelo prisma da linguagem toy movie, com a participação remota de oito artistas. 


A inquietação e desconfiança de Bentinho sobre a fidelidade de sua esposa, Capitu, e de seu melhor amigo, Escobar, recebe uma releitura bem-humorada, que se propõe a instigar os espectadores a desvendar esta dúvida por diferentes pontos de vista — não apenas pelo o que é narrado por Bentinho. 
@domcasmurro 

Curta metragem em toy movie, com duração aproximada de 10 minutos.
Classificação: livre

 

ficha técnica

Autor da obra original

Machado de Assis
 

Direção, adaptação, roteiro e edição

Walmick de Holanda 
 

Com vozes de

Érica Ribeiro

Evandro Cavalcante

Danilo Martim

Lucas Sancho

Rodrigo Risone

Simone Évanz

Walmick de Holanda 
 

Revisão de adaptação

Daniel Matins 
 

Assistência de produção

Ana Nehan 

sobre o artista

A “Quarentena Filmes” é um projeto do ator Walmick de Holanda, que teve início durante o isolamento social necessário devido à pandemia de Covid-19, que ainda estamos atravessando, como um meio de se expressar artisticamente neste período. 
Os curtas-metragens são em estilo toy movie — utilizando bonecos colecionáveis e outros objetos inanimados para contar uma história — e todos são adaptações de obras da dramaturgia do teatro mundial e da literatura clássica. Entre eles, estão Odisseia, Édipo Rei, Romeu e Julieta, As Três Irmãs, Esperando Godot, entre outros. As vozes dos personagens são gravadas remotamente pelo elenco convidado e o idealizador grava os vídeos com as imagens dos bonecos e edita todos os curtas em sua casa. Em geral, os curtas são divulgados nas redes sociais de @walmickdeholanda, mas também já integraram a programação do Festival UP! e do Palco Virtual do Itaú Cultural.


Walmick de Holanda é um ator cearense radicado em São Paulo. Formado pela Escola de Arte Dramática (EAD/ECA/USP), é também pós-graduado em Direção Teatral pela Escola Superior de Artes Célia Helena, licenciado em Artes pela Faculdade Paulista de Artes (FPA) e graduado em Artes Cênicas pelo IFCE e em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza — pela qual realizou intercâmbio acadêmico em audiovisual na Universidad de Salamanca (Espanha), entre outros. Já trabalhou com os diretores Antônio Rogério Toscano, Rogério Tarifa, Lucas Sancho e Cristiane Paoli-Quito.

estreia.png

Tituba e Eu

performance de Fernanda Machado

A performance é livremente inspirada no romance Eu, Tituba, bruxa negra de Salém, escrito por Maryse Condé, natural de Guadalupe. No livro, a escritora narra em primeira pessoa a vida de Tituba, mulher preta acusada de bruxaria num dos processos mais cruéis de matança de mulheres na Idade Média. Tituba é convidada a estar entre nós para discutirmos sobre o processo de escravidão e os pilares do capitalismo, que aprisiona o corpo da mulher e queima os que fogem às regras de ordem, em especial os corpos das mulheres negras, que tinham crenças, culturas e entendimentos de vida diferentes dos pregados pelo cristianismo, a religião colonial de ordem capitalista patriarcal. A performance é uma celebração aos corpos “errados”, selvagens, bruxas.

Duração: de 20 a 30 minutos
Classificação: livre 

 

ficha técnica

Criação e performance

Fernanda Machado
 

Captação de imagens

Thiago Miagy

sobre a artista

Fernanda Machado é doutora em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, mestra pela mesma instituição e bacharela em Comunicação e Artes do Corpo, pela PUC/SP (habilitação em Teatro e Performance). Trabalha como atriz, performer, pesquisadora e diretora teatral. Entre seus principais trabalhos como atriz estão: Scripta Manet, verba volant, intervenção literária de Luiza Romão; Corpo_Cidade_Ficcões, de André Capuano; TeatroSolo, de Matias Umpierrez; Barafonda, O Santo Guerreiro e o Herói Desajustado, As Bastianas e Pedro, o crú, com a Cia. São Jorge de Variedades; No curso do rio, com a Cia. Bonecos Urbanos. Como diretora teatral, fez Ponto de fuga e Díptico, pelo projeto espetáculo da Fábrica de Cultura Brasilândia (Codireção com Luiza Romão); Teatro da Vida Real, com a Associação Abrace; As relações naturais, com a Santa Cia. (assistência) e Um Homem é um Homem, da formação 12 da Escola Livre de Teatro (assistência). Em performance, criou Transparências, Ajuntamento MeninasJoão; Que meus olhos te protejam, Lia Chaia; CTRL Z ou 220 lâmpadas de 1 Watt.

estreia.png

Gaspar Z’África

pocket show Gaspar Z da Banda Z’África/Gaspar

Apresentando o seu trabalho solo, com divulgação das músicas do audiobook O Nômade vol.1 e com recitação das poesias que compõem a obra, incluindo também músicas do disco solo Rapsicordelico e clássicas do grupo Z’África Brasil. O pocket conta com a participação do DJ Tano, integrante do grupo Z’África Brasil, tricampeão consecutivo do campeonato brasileiro: HIP HOP DJ.

Duração: 30 minutos 
Classificação: livre

 

sobre o artista

Gaspar é letrista e cofundador do Z’África Brasil. Um dos grupos pioneiros de Rap em São Paulo, criado na década de 90, Gaspar tornou-se referência entre os MC’s da cena hip hop, destacando-se por sua agilidade e versatilidade em rimas com conteúdo ligados à valorização da cultura brasileira de matriz africana. Gaspar é um importante MC brasileiro, que há mais de 25 anos desenvolve atividades na Zona Sul de São Paulo. Gaspar tem sua origem ligada ao fortalecimento e à difusão da cultura afroindígena, nordestina e sudestina, incorporando às suas composições a pesquisa e o resgate da cultura popular brasileira através da linguagem do hip hop.

RAPPER Selecionadx na Chamada Pública

Selecionadx fará uma apresentação entre 5 a 10 minutos de seu trabalho inspirado em literatura que for selecionada.

Pocket show de 5 a 10 minutos

AUTORAS E AUTORES QUE NOS INSPIRARAM

Alessandra Leão

É cantora, compositora, percussionista e produtora. Em sua carreira solo tem os discos Brinquedo de Tambor, Dois Cordões e mais recentemente a trilogia de EPs Língua. Em 2019, seu álbum Macumbas e Catimbós foi indicado ao Grammy Latino de Melhor Álbum de Música de Raízes em Língua Portuguesa] e eleito um dos 25 melhores álbuns brasileiros do primeiro semestre pela APCA Associação Paulista de Críticos de Arte.

Angela Castelo Branco

Doutora em Artes pelo Instituto de Artes da UNESP, poeta, arte educadora e fundadora de ‘A Casa Tombada’. Coordena ações educativas em exposições de artes visuais e literatura. É autora dos livros Orações, Epidermias e É vermelho o início da árvore.

Chacal

Chacal é o pseudônimo de Ricardo de Carvalho Duarte, poeta, cronista, letrista e autor de teatro. Nasceu no Rio de Janeiro, em 1951, e foi um dos primeiros poetas da década de 1970 a se utilizar do mimeógrafo para fazer sua poesia ganhar as ruas. Uma poesia irreverente, descompromissada com qualquer estética, chamada de Poesia Marginal.

Daniel Minchoni

É poeta-palhaço, experimentador da palavra e formador da cultura no Brasil. Artista de vanguarda, criou e toca eventos de poesia em São Paulo como: "O menor Slam do Mundo", "O sarau do burro", "Rachão poético", "Cabaré revoltaire" e " A peça Literatura Ostentação".

Ferreira Gullar

Natural de São Luís (MA), nasceu em 1930. Foi um escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta brasileiro e um dos fundadores do neoconcretismo. Imortal da Academia Brasileira de Letras, é considerado um dos poetas mais importantes do Brasil. Sua poesia, muito dinâmica, apresenta desde aspectos intimistas a aspectos críticos da realidade política e social nacional.

Guimarães Rosa

João Guimarães Rosa (1908-1967) foi um escritor brasileiro e também médico e diplomata. Seus primeiros trabalhos como escritor foram contos, publicados na revista O Cruzeiro, em 1929. A partir de então, vieram livros de coletânea de contos e seu único romance, ‘Grande Sertão: Veredas’, considerada uma obra prima da literatura brasileira.

Lewis Carrol

Lewis Carroll (1832 - 1898) foi um poeta, matemático e romancista britânico e tornou-se mundialmente famoso quando escreveu "Alice no País das Maravilhas", além de outros poemas. Lewis Carroll era apaixonado por jogos, tanto que inventou um grande número de enigmas, jogos matemáticos e de lógica e por isso, os livros infantis de Carroll contêm diversos problemas matemáticos e de lógica.

Machado de Assis

Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908) é considerado o maior nome da literatura brasileira. Foi um escritor completo: escreveu vários romances, além de contos, teatro, coletâneas de poemas e mais de seiscentas crônicas. É um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, como também o seu primeiro presidente.

Maria Giulia Pinheiro

Nasceu em São Paulo, SP, em 28 de maio de 1990. É autora de Da Poeta ao Inevitável, pela Editora Patuá (2013), Alteridade, pelo Selo do Burro (2016), e Avessamento, pela Editora Urutau (2017). Dramaturga dos espetáculos Mais um Hamlet, Alteridade e Bruta Flor do Querer em que também assina a direção. É fundadora do grupo teatral Companhia e Fúria, em que atua, dirige e escreve. Criadora e organizadora do ZONA Lê Mulheres.

Miguel de Cervantes

Miguel de Cervantes Saavedra foi um importante poeta, dramaturgo e novelista espanhol. Nasceu em 29 de setembro de 1547 (data suposta) na cidade espanhola de Alcalá de Henares. Cervantes morreu na cidade de Madri, em 22 de abril de 1616. Sua obra prima Dom Quixote é um clássico da literatura ocidental.

Oscar Wilde

Oscar Wilde (1854-1900), importante escritor e poeta britânico, é autor de clássicos. Escreveu dramas, novelas, poesias, contos infantis e O Retrato de Dorian Gray, o seu único romance, que é considerado notável e que foi publicado em 1891. Nasceu em Dublin no dia 16 de outubro de 1854. No Flow Literário, a peça A Pena de Wilde inspira-se em sua trajetória de vida.

Roseana Murray

Nasceu no Rio de Janeiro em 1950. Graduou-se em Literatura e Língua Francesa em 1973 (Universidade de Nancy/ Aliança Francesa). Publicou seu primeiro livro infantil em 1980 Fardo de Carinho (Ed. Murinho, R.J). Com mais de 60 livros publicados, dois traduzidos para o espanhol e publicados no México.

Alice Ruiz

É natural de Curitiba, poetisa e compositora brasileira. Com mais de 20 livros publicados, tem seus poemas traduzidos para diversos países. Em 1993 recebeu homenagem da colônia japonesa de Curitiba, outorgando-lhe o nome Yuuka, como haicaísta, feita pela primeira vez a um ocidental.

Anna Zêpa

atriz e escritora, tem três livros publicados: Primeiro Corte (2013)e aconvivênciadosnossosrastros (2015) pelo Selo DoBurro, e Da perda à pedra a queda é livre (2016) pelos selos Demônio Negro e Douda. Participa do Flow Literário no espetáculo 37 Graus.

Clarice Lispector

Escritora e jornalista brasileira nascida na Ucrânia em 1920. Autora de romances, contos, ensaios e literatura infantil, é considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX e a maior escritora judia desde Franz Kafka. Sua obra está repleta de cenas cotidianas simples e tramas psicológicas, Quanto às suas identidades nacional e regional, declarava-se brasileira e pernambucana.

Edgard Jacques

Edgar é ator formado pelo Teatro Escola Macunaíma e fez também um curso de interpretação para Televisão na Escola de Atores Wolf Maya. Desde pequeno, Edgar aprendeu a lidar com a cegueira e a arte surgiu em sua vida como mais um desafio a vencer. Além das artes cênicas, ele também se interessa por música, canto e literatura.

Gaspar

É letrista, poeta, escritor e co-fundador do Z’África Brasil, um dos pioneiros grupos de RAP em São Paulo. Autor de ‘O Brasil é um Quilombo’ e de ‘O Nômade Vol. 1 - Projeto Hip Hop Rap Histórico’, gravou o trabalho Rapsicordélico. Gaspar é uma referência entre os MC’s da cena Hip Hop, destacando-se por sua agilidade e versatilidade em rimas com conteúdos ligados a valorização da cultura brasileira de matriz africana. Apresenta-se no Flow Literária com um pocket show.

Júlio Cortázar

Romancista e contista argentino nascido na Bélgica (1914 - 1984). Explorando a realidade e a irrealidade, renova a literatura latino-americana de língua espanhola. Sua obra questiona o convencional, procurando um conhecimento que dispense o auxílio da lógica. Em seus romances, o fantástico tem origem no cotidiano.

Lya Luft

Lya Fett Luft (Santa Cruz do Sul RS 1938). Romancista, cronista, ensaísta, poeta e tradutora. Sua obra, que em geral contempla mulheres como personagens principais, aborda temas como problemas familiares, medo, culpa, loucura, morte e transgressões.

Manoel de Barros

Manoel Wenceslau Leite Barros nasceu em Cuiabá, Mato Grosso (1916-2014). Foi um escritor modernista brasileiro pertencente à terceira geração modernista, chamada de “Geração de 45”. Apesar de ter escrito muitos livros durante toda a sua vida e de ter ganho vários prêmios literários desde 1960, durante muito tempo sua obra ficou desconhecida do grande público. Possivelmente porque o poeta não frequentava os meios literários e editoriais e, deduzindo-se das palavras do poeta (ele diz "por orgulho"), por não bajular ninguém. É considerado um dos maiores poetas brasileiros.

Marise Condé

Maryse Condé (1937) é uma importante escritora em língua francesa, natural de Guadalupe. Reconhecida autora feminista, ativista e difusora da história e cultura africana, tem uma vasta e premiada produção em literatura. Em 2018 recebeu o Prêmio Nobel Alternativo de Literatura pelo seu romance Segu.

Nadine Trzmielina

Nasceu no Cairo e vive em São Paulo. Formada pelo Mackenzie, atua em teatro, televisão e cinema, como atriz, cenógrafa, figurinista e diretora. É artista plástica, autora de diversos livros infanto-juvenis, textos de teatro e roteiros para TV.

Paulo Leminski

Escritor, poeta, crítico literário e músico, nasceu em Curitiba, Paraná (1944-1989). Tornou-se conhecido por ter inventado seu próprio jeito para escrever poesias, fazendo trocadilhos ou brincando com ditados populares e influência do haicai. A música, uma de suas paixões, estava ligada às suas obras, proporcionando uma discografia rica e variada. Fez parcerias com Caetano Veloso, o grupo A Cor do Som e a banda de punk rock Beijo AA Força. No Flow Literário, o show musical Metamor traz canções inspiradas em poesias do autor.

Tércia Montenegro Lemos

Nascida em Fortaleza em 1976, é professora e escritora brasileira com graduação em Letras, mestrado em Literatura Brasileira e doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará. Sua obra de estreia foi o livro de contos “O Vendedor de Judas”, em 1998, que recebeu o prêmio Funarte. Lançou outros livros de contos que concorreram a prêmios como o Jabuti e o Brasil Telecom. Seu livro “Linha Férrea” recebeu o “Prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira” da Revista Cult. Também escreveu livros infantis e desde 2009 é professora adjunta do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Ceará.

Ana Cristina César

Nascida na cidade do Rio de Janeiro em 1952, ela se transformou em um dos expoentes da literatura brasileira nos anos 70. Em sua obra é possível perceber uma tênue divisória entre a ficção e a autobiografia. Suicidou-se em 1983.

Cecília Meirelles

Nasceu no Rio de Janeiro (1901-1964). Jornalista, pintora, poeta, escritora e professora brasileira, é um nome canônico do modernismo brasileiro, uma das grandes poetas da língua portuguesa e é amplamente considerada a melhor poeta do Brasil, embora tenha combatido a palavra poetisa por causa da discriminação de gênero.

Cora Coralina

Poeta e contista goiana (1889 - 1985), é considerada uma das mais importantes escritoras brasileiras. Seu primeiro livro publicado ‘Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais’ foi aos 76 anos, apesar de escrever desde a adolescência. Mulher simples, doceira de profissão, viveu longe dos centros urbanos, alheia a modismos literários e produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro.

Eveline Sin

Artista, poeta, tem cinco livros publicados: Devolva Meu Lado De Dentro (2012), pela Editora Jovens Escribas e Selo DoBurro; Na Veste Dos Peixes As Palavras De Ontem (2014) e Manga Espada (2015), pelo Selo DoBurro. Em 2017, lançou Capim Santo – Eveline Sin Até Aqui, reunindo seus três livros, e também Paetê Pantim, ambos pelo Selo DoBurro. Em 2021, está publicando Caninana. Participa do Flow Literário no espetáculo 37 Graus.

Giorgio Agamben

Nascido em Roma em 1942, é um filósofo italiano autor de obras que percorrem temas que vão da estética à política. Seus trabalhos mais conhecidos incluem sua investigação sobre os conceitos de Estado de exceção e homo sacer.

Lau Guimarães

É roteirista, poeta e artista de rua. Em 2009, criou o projeto Microrroteiros da Cidade com a proposta de convidar as pessoas a imaginarem uma história de repente, no meio do caminho. Em 2010 começou a colar seus microrroteiros em postes, empenas de prédios, e outros espaços urbanos. Participa do Flow Literário mostrando alguns de seus trabalhos pela cidade.

Lygia Fagundes Teles

Lygia Fagundes Telles é uma escritora consagrada na produção literária do Brasil, considerada uma das representantes, na literatura brasileira, do pós-modernismo ou pós-Segunda Guerra Mundial. Ganhadora de todos os prêmios literários importantes do Brasil, homenageada nacional e internacionalmente, tornou-se, em 2016, aos 92 anos, a primeira mulher brasileira a ter sido indicada ao prêmio Nobel de Literatura.

Marcelino Freire

Marcelino Juvêncio Freire (Sertânia, Pernambuco, 1967). Escritor e editor considerado um dos maiores contistas da literatura contemporânea, tendo recebido diversos prêmios por sua obra. Mora em São Paulo, onde ministra oficinas de escrita além de continuar escrevendo ensaios, romances e contos.

Mia Couto

Mia Couto é um escritor moçambicano, considerado autor de um dos melhores livros africanos do século XX. Conhecido em vários países do mundo, sua obra literária é composta por poemas, contos, crônicas e romances. Nela, além de incluir a sua crítica social e política, o autor dá mostras do quanto valoriza as suas tradições.

Orides Fontela

Orides Fontela (1940 – 1998), natural de São João da Boa Vista (SP), filósofa e poeta tem seis livros publicados. Foi premiada com o Jabuti de Poesia, em 1983, pelo livro Alba, recebeu também o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, pelo livro Teia, em 1996. Postumamente, em 2007 o Ministério da Cultura homenageou-a com a Ordem do Mérito Cultural.

Penélope Martins

É escritora e narradora de histórias. Idealizadora do blog Toda Hora Tem História, ministra oficinas de mediação de leitura e de escrita criativa e é autora de mais de uma dezena de livros infanto-juvenis e infantis. Idealizadora do projeto Mulheres que Leem Mulheres e narradora de áudio livros,

Vinicius Calderoni

Nasceu em 1985, em São Paulo e tem desenvolvido uma carreira múltipla entre música, cinema e teatro. Seu primeiro disco, Tranchã (2007), foi recebido com boas críticas e gerou 12 videoclipes, dirigidos por jovens e talentosos diretores no projeto Os 12 clipes de Tranchã. Desde 2009 integra o coletivo 5 a Seco, como compositor, instrumentista e cantor. Premiado dramaturgo, é também ator, autor do podcast Que dia é hoje e poeta.
flow literario - preto-09.png

ficha técnica

Direção
Heloísa Sobral

 

Curadoria
Ailton Guedes
Fernanda Machado

Heloísa Sobral

 

Apresentação

Ailton Guedes  

 

Produção executiva
Julieta Regazzoni 

 

Acessibilidade
Coletivo Desvio Padrão

Comunicação
Daniel Minchoni

Designers

Laura Sobral

Daniel Minchoni

 


 

Site

Marcio Yonamine

 

Videomaker

Thiago Miagy

 

Som

Duda Gomes

 

Luz

Pedro Altman

Imprensa
Flora Miguel
11 95323-2999 

floramiguel.assessoria@gmail.com